quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Ágata


(Beto Takai)

Mergulho nesses olhos puxados
Não vejo calma, cobiça, religião...
Aqui nada se parece
É tudo estranho, diferente, ilusão...
Mais uma brincadeira do destino:
Me aparece nesse momento
Com a mais antiga pergunta,
Que se em uma criatura
Enxergamos amor, amizade ou paixão?
O questionamento vai ficando mais fácil
De se responder
Quando olho o suor pingando
A camisa molhada...
O sorriso surpreendente...
E quando de brincadeira
(por que eu sei que é)
Ele segura na minha mão
O lápis atrapalha,
O rosto concerta,
Vou ao paraíso!
E ele pode até dizer que 'não'
Mas na brincadeira
Acende a esperança de provar
Daqueles doces lábios...
Daí vem aquela inútil educação
Que me trava a língua,
Tinge minha face
Me coloca medo!
Traço planos...
Escrevo linhas...
(rabisco, apago)
Recebo a notícia:
'Vou embora'
Penso rapidamente.
Olho para minha pedra Ágata,
Coloco todos os meus sentimentos,
E corro antes que minha lágrima desça
E chore mais uma vez,
E grite mais uma vez..
E o veja apenas essa vez.

2 comentários:

Aline Mayfair disse...

tá lindo! de verdade mesmo... obra prima.
abraçoo

Aline Mayfair disse...

vou até fazer outro comentário pra reforçar... gostei mesmo deste!!
ashuahsuahsuhaus
xerooooo