quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Sobre o amarelo.


(Beto Takai)

É do sol aquilo que é da rua
É da sombra chorosa e precisa
É do velho bebendo da carência
É do tolo que rir por inocência.

Senta, claro e leve
Sente, quente e sóbrio
Cair num sonho branco cheio de amarelo
E casar com as sombras
Entre galhos e ferros
Areia e poesia.

As armas que são instrumentos
A dor que comporta o alimento
É amarelo
É claro e consistente
É o que se guarda
E não sente.

PS: Fotos by Jânio Tavares.

2 comentários:

dani disse...

*---*

Adorei a poesia coração!
Vc escreve muito =D


Xerão =D

Aline Mayfair disse...

manda pra marisa monte fazer uma canção :P
tá linda!
bjoss